Viajar Barato: o Guia Definitivo Para Viajar ‘Sem Dinheiro’

Você gostaria de estar viajando agora? Quer saber os truques de viajar barato, para viajar mais?

Onde você gostaria de estar neste exato momento, ao invés de estar aí, na frente desse computador (ou alienado neste celular)?

Este artigo é Parte 1 de 3, de uma série especial de artigos que vai revelar tudo que você precisa saber sobre viajar barato.

Parte 1 ‚Äď [Voc√™ Est√° Aqui]¬†Como Viajar Barato: O Guia Definitivo
Parte 2 ‚ÄstComo Viajar¬†de Gra√ßa
Parte 3 ‚ÄstPassagens A√©reas Baratas: O Mapa do Tesouro

 

Se voc√™ √© desses que vive sonhando com v√°rias¬†viagens, mas n√£o est√°¬†conseguindo tir√°-las do papel…¬†saiba que meios inovadores de¬†viajar barato (por√©m, conhecidos por poucos) podem ser a solu√ß√£o para mais¬†viagens em sua vida!

Milhares de pessoas como você passam a vida sonhando em viajar para conhecer o lugar X, Y ou Z.

Essas pessoas¬†sonham acordadas…

Imaginam-se naquelas paisagens que s√≥ viram pela internet…

Dividem suas expectativas com uma outra pessoa e…

Vivem planejando.

Só planejando.

Isso soa familiar pra você?

E o pior, √© que mesmo juntando¬†as suas economias, voc√™ n√£o sabe se um dia… essa viagem vai mesmo acontecer.

VIAJAR BARATO, √Č MESMO POSS√ćVEL?


Viajar Barato é possível?

A menos que você conheça os truques de quem vive dando uma volta ao mundo (ou seja rico), dificilmente conseguirá viajar tanto quanto gostaria.

Mas… e se eu te contasse que, recentemente,¬†alguns¬†m√©todos novos de viajar barato vem se popularizando, mas a maioria das pessoas ainda n√£o fazem a m√≠nima ideia?!

E se eu te dissesse que voc√™ pode dormir (e at√© se alimentar)¬†de gra√ßa nas casas de outras pessoas enquanto viaja, casas simples ou at√© mesmo mans√Ķes¬†– com ou sem a companhia dos donos da casa (voc√™ escolhe)!

E se eu te dissesse que voc√™ tamb√©m pode usar esses truques¬†para viajar barato pelo mundo e conhecer v√°rios pa√≠ses, mesmo que voc√™ esteja “quebrado”?!

Achou bom demais pra ser verdade?

Pois saiba que s√£o estes truques que os viajantes profissionais usam para viajar mundo afora sem dinheiro.

São esses mesmos métodos que você vai aprender agora.

Meu destino preferido é sempre o próximo.
– Charles Veley¬†(Clique para tuitar)¬†ūüź¶

 

Aqui estão alguns dos aperitivos que você vai saborear nesta série de artigos:

  • O que √© work exchange e como¬†isso vai te¬†ajudar a viajar pelo mundo (mesmo que voc√™ esteja quebrado);
  • Como ajudar outras pessoas ao redor do mundo e em troca ganhar alimenta√ß√£o e hospedagem;
  • Quais os melhores programas para encontrar¬†anfitri√Ķes em outros¬†pa√≠ses e como eles funcionam;
  • Como se¬†hospedar 100% gr√°tis¬†em outros pa√≠ses [GARANTIDO];
  • Programas que oferecem alimenta√ß√£o gratuita para viajantes;
  • Como¬†conseguir¬†suas passagens a√©reas do jeito mais r√°pido e barato poss√≠vel;
  • Como viajar de avi√£o de gra√ßa dentro do Brasil (que 99,9% dos brasileiros desconhecem);

e muito mais…

Para tirar o m√°ximo de proveito dessas informa√ß√Ķes, leia todos os 3 artigos e baixe os materiais complementares ao longo da leitura, eles cont√©m informa√ß√Ķes extras que n√£o foram¬†inclusas nos artigos.

Ent√£o vamos l√°, apertem os cintos e vamos decolar!

VIAJANDO APENAS COM O DINHEIRO DAS PASSAGENS A√ČREAS


“Ela viajou por 3 meses na Isl√Ęndia, apenas com o dinheiro das passagens a√©reas.

Durante todo o tempo em que esteve neste outro país, o que ela fazia, era trabalhar algumas horas por dia em um hostel, e em troca ganhava comida e hospedagem.

Logo, quando n√£o estava trabalhando, ela tinha tempo para conhecer as¬†maravilhosas paisagens da Isl√Ęndia.”

Hmm, isso parece interessante…

Pois saiba que esta é uma história real, e aconteceu com a Bruna Sturzbecher.

Como ela conseguiu essa proeza?

Continue lendo para conhecer os programas que tornam isso possível e entenda os tipos de oportunidades disponíveis e quanto isso irá lhe custar Рse é que vai custar alguma coisa.

 

WORK EXCHANGE

Work Exchange - Um jeito f√°cil de viajar barato


Work o quê?!

P√©ra l√°! J√° vou explicar…

Nesse exato momento existem pessoas ao redor do mundo precisando de algum tipo de ajuda, seja para um trabalho específico ou apenas uma mãozinha.

Essas pessoas também possuem uma cama desocupada, um espacinho que possa receber alguém e o melhor de tudo: esse alguém pode ser você.

Em troca, tudo o que você tem que fazer é se voluntariar ao tipo de mão-de-obra que eles necessitam e ajudá-los algumas horas por dia.

√Č uma troca, que tem que¬†ser justa para ambos os lados.

Você se oferece para ser voluntário por uns dias e em troca receberá hospedagem, alimentação e algumas vezes até mais do que isso.

Esse conceito √© o que chamamos de work exchange, que traduzindo seria algo como “interc√Ęmbio¬†de trabalho”.

 

POR ONDE COMEÇAR


Por Onde Começar

 

O primeiro passo para quem pretende embarcar numa aventura como essa é pesquisar as oportunidades disponíveis nos locais e países de interesse.

Alguns anfitri√Ķes (hosts) procuram trabalhadores para servi√ßos de poucos dias ou¬†semanas; mas tamb√©m existem aqueles¬†oferecem vagas que podem durar at√©¬†meses.

Em geral, os trabalhos exigem uma dedicação de 4 a 5 horas por dia, por 4 a 5 dias na semana. Mas não é regra.

Alguns hostels por exemplo te pedem 8h de trabalho diário, mas te dão 4 folgas na semana Рo que é excelente pra fazer uma roadtrip e para conhecer lugares mais distantes de onde você está, dentro do país.

O resto é folga, para você curtir como bem entender.

Um outro detalhe é que as oportunidades não são para trabalhar apenas em hostels.

Há os trabalhos que exigem um maior esforço físico, como é o caso das vagas disponíveis em fazendas, para trabalhar na floresta, em colheitas, etc; e outros que são mais voltados para tarefas domésticas e auxílio com crianças.

As op√ß√Ķes¬†s√£o muitas. Certamente voc√™ vai se encaixar em alguma delas.

 

Dito isso, conheça agora os principais programas que fomentam esse tipo de interação.

 

WORKAWAY


Viajar Barato com Workaway

Foi através do Workaway que a Bruna Sturzbecher (da história acima) conseguiu achar uma oportunidade para se voluntariar.

Se você tem disposição para trabalhar, então, você pode encontrar em sites como este uma estadia, comida e talvez até roupa lavada, sem ter que pagar nada por isso.

COMO FUNCIONA O WORKAWAY

No Workaway você encontrará diversos tipos de oportunidades, de leves à pesadas, não somente para trabalhar em hostels.

Por exemplo:

  • cuidar da casa;
  • de crian√ßas;
  • saber cozinhar;
  • trabalhar numa colheita;
  • ou at√© em fun√ß√Ķes mais tecnol√≥gicas, como saber programar;
  • e cuidar de um site na internet.

Para encontrar um desses trabalhos volunt√°rio por meio do Workaway, acesse o site e em seguida realize o seu cadstro.

Para concluir o seu cadastro, você deverá efetuar o pagamento de uma taxa.

Essa taxa vale por um ano de acesso às oportunidades, mas, mais importante do que isso, é através dessa taxa que o site e o projeto se mantém.

Após ter o pagamento confirmado, preencha todos os seus dados para completar o seu perfil.

Fotos aumentam as suas chances de ser aceito, ent√£o capriche!

Edite o seu perfil com o maior n√ļmero de detalhes √ļteis poss√≠vel.

Se essas informa√ß√Ķes estiverem no idioma do pa√≠s para onde voc√™ deseja ir, voc√™ poder√° ser encontrado e aceito com maior rapidez e facilidade.

Portanto, se você não se sente confiança em preencher o teu perfil em outro idioma, peça que alguém o faça para você.

Após ter preenchido o seu perfil, selecione alguns países para onde você gostaria de ir.

O site irá buscar oportunidades apenas nos países selecionados.

V√°rias oportunidades ir√£o aparecer.

Após encontrar o trabalho e o anfitrião de sua preferência, envie uma mensagem contando o por quê você quer trabalhar para ele.

Fale sobre você e aguarde para ver se ele responde.

QUANTO CUSTA O WORKAWAY

Para quem pretende realizar o cadastro individual e ir sozinho para outro país, a taxa é de USD 29,00 dólares.

Os casais que quiserem se cadastrar e se candidatar juntos para  as mesmas oportunidades pagam USD 38 dólares de taxa.

Seu cadastro será válido por um ano.

 

BRASILEIROS QUE VIAJARAM COM O WORKAWAY

Quer saber se o Workaway é confiável?

Se você ainda está com a pulga atrás da orelha, achando que viajar barato é bom demais pra ser verdade, então eu vou deixar aqui alguns links para você conhecer algumas histórias de brasileiros que vivenciaram isto na pele.

E como é normal de existir uma preocupação muito maior pelas mulheres, com relação à segurança, vou começar com três relatos de mulheres; que de sexo frágil, não têm nada.

BRUNA STURZBECHER – ROAD FOR TWO


Bruna Sturzbecher na Isl√Ęndia, onde ficou por 3 meses com hospedagem e alimenta√ß√£o gratuita. Cr√©ditos: Road for Two
Bruna Sturzbecher na Isl√Ęndia, onde ficou por 3 meses com hospedagem e alimenta√ß√£o gratuita. Cr√©ditos: Road for Two

Bom, como eu j√° mencionei algumas vezes acima, a Bruna foi pra Isl√Ęndia e precisou apenas do dinheiro das passagens.

Ficou 3 meses.

Conseguiu um trampo voluntário através do Workaway para trabalhar em um Hostel, onde recebia comida e acomodação.

Trabalhava no hostel apenas 5 horas por dia e tinha 2 dias de folga na semana.

Conheça um pouco mais dessa história do blog da Bruna aqui, no Road for Two.

L√ćGIA GOMES – DIAS VIVOS


Vale Glendalough, Irlanda
Vale Glendalough, nos arredores do Hostel onde a Lígia se hospedou. Créditos: Dias Vivos

A Lígia já estava em Dublin, na Irlanda, mas não estava curtindo muito a cidade.

Em seu blog, a L√≠gia conta que chegou na Irlanda para fazer interc√Ęmbio estudantil e aperfei√ßoar um novo idioma: o inlg√™s.

Mas no fim das contas ela acabou indo trabalhar em um Hostel, em uma pequena vila, muito linda e pacata da Irlanda mesmo.

Para ler essa experiência na íntegra, confira aqui, no blog Dias Vivos.

CAMILA LISBOA РO MELHOR MÊS DO ANO


Camila Lisboa em frente ao Hostel
Camila Lisboa em frente ao Hostel. Créditos: O Melhor Mês do Ano

A Camila j√° pegou o jeito pra coisa e foi logo se voluntariando no Chile e na Argentina.

As histórias da Camila são interessantes também, porque ela conta que uma de suas experiências não foi tão agradável quanto ela imaginava.

Por isso é sempre bom tomar nota, do relato dos outros. Assim você pode se adiantar e se precaver, para não ser pego de surpresa.

Para “ouvir” as hist√≥rias da Camila, acesse o blog dela O Melhor M√™s do Ano.

 

Nota: Embora essas corajosas mulheres tenham trabalhado todas em Hostels, nos 3 casos acima, não se engane! Não há vagas somente para hostels no Workaway. Basta procurar direitinho. Há muita diversidade!

 

Para a nossa alegria, existem outros sites além do Workaway onde podemos encontrar vagas para um trabalho voluntário. Confira a seguir:

 

HELPX


Viajar Barato com Workaway

Help X, de Help Exchange, significa ‚Äútroca de ajuda‚ÄĚ.

Hoje a rede inclui destinos como Austr√°lia, Canad√°, diversos pa√≠ses europeus e Nova Zel√Ęndia.

Al√©m do destaque para o network alternativo que conta com op√ß√Ķes como Jap√£o, Hava√≠, Costa Rica, Chile e Equador.

COMO FUNCIONA O HELPX

Não muito diferente do Workaway, ao completar o seu cadastro no Helpx, você poderá criar um perfil citando todas as suas expectativas e habilidades para que o anfitrião saiba mais sobre você.

Um ponto interessante é que o Helpx é capaz fazer as buscas por tipo de lugar, o que ajuda muito na hora de pesquisar as oportunidades.

Se voc√™ quiser fugir das fazendas, pode escolher hostels, pens√Ķes, hot√©is ou, se estiver afim de algo completamente diferente, pode escolher at√© embarca√ß√Ķes.

Aqui, o interesse pode partir tanto do voluntário quanto do host (anfitrião), que poderá contatar o helper (você) e oferecer a oportunidade.

O importante √© estabelecer os seus direitos e deveres tirando todas as d√ļvidas antes de fechar o acordo, o que inclui quest√Ķes de seguran√ßa, acomoda√ß√£o, etc.

Esteja atento ao n√ļmero de horas di√°rias de trabalho exigido.

Alguns podem pedir que você trabalhe até oito horas seguidas em troca de folga no dia seguinte.

Em algumas oportunidades as atividades exigem menos tempo e o host oferece apenas espaço e ingredientes para que o voluntário faça a sua própria refeição.

Para não deixar nenhum desses detalhes escapar, ao final desse artigo eu deixei alguns itens que você não pode ignorar ou esquecer de jeito nenhum.

QUANTO CUSTA O HELPX

N√£o muito diferente do Workaway, no Helpx as oportunidades est√£o dispostas no site e podem ser acessadas gratuitamente.

Porém… para tirar proveito por completo é preciso se tornar um membro Premier.

Para isso você precisará desembolsar 20 euros, o que lhe garante acesso ao serviço por dois anos.

 

BRASILEIROS QUE VIAJARAM COM O HELPX

RAFAEL LEICK – VIAGEM PRIMATA


Rafael (ao centro) com seus novos amigos, Antonie e Mark.
Rafael (ao centro) com os novos amigos que fez na Escócia, Antonie e Mark. Créditos: Viagem Primata

O Rafael Leick morou um tempo na Europa para fazer um interc√Ęmbio destes tradicionais, que estamos acostumados a ver.

Depois que o interc√Ęmbio acabou ele optou pelo HelpX e escolheu como cen√°rio para o servi√ßo volunt√°rio a Esc√≥cia.

Durante essa aventura o Rafael trabalhava em uma fazenda a 30 minutos de Edimburgo, bem pertinho da capital.

Segundo o Rafael, as surpresas ficaram por conta da convivência com seus novos amigos.

Com direito a fotos e até vídeos do trabalho que ele precisou executar, você confere aqui, no blog Viagem Primata.

RAFAEL SPISLA E BRENDA – JORNADA VIVA


Rafael e Brenda em Dubrovník, na Croácia, cidade de alguns cenários de Game of Thrones. | Créditos: Jornada Viva
Rafael e Brenda em Dubrovník, cidade de cenários de Game of Thrones. Créditos: Jornada Viva

O Rafael e a Brenda experimentaram não só o Helpx, como também o WWOOF e o Workaway.

O mais legal é que, sempre que podem, eles gravam vídeos mostrando um pouco mais sobre as experiências de cada lugar por onde passam. Vejam só este vídeo deles, que charme!

Como usaram dos v√°rios programas de work exchange citados aqui nesse artigo, eles se envolveram tanto em tarefas de zona rural/agr√≠cola, quando tiveram a oportunidade de ajudar a construir casas org√Ęnicas na Transilv√Ęnia, criar abelhas na It√°lia, preparar o est√°bulo dos animais no sul da Alemanha e cultivar org√Ęnicos na Turquia…

…como tamb√©m tiveram a oportunidade de experi√™ncias mais urbanas, como quando usaram o Helpx para trabalhar em um hostel em Dubrovn√≠k – terra de alguns cen√°rios de Game of Thrones, na Cro√°cia.

Para ler mais sobre essa e outras experiências de work exchange desse casal, leia aqui, no Jornada Viva.

 

WORLDPACKERS


Viajar Barato com Worldpackers

Muitas vezes durante este artigo eu mencionei oportunidades em hostels…

Quando falamos de trabalhar em hostels, logo a gente imagina que só há trabalho na recepção do estabelecimento Рo que não é verdade.

Se voc√™ n√£o tem um ingl√™s razo√°vel, deve estar pensando “No way! Sem chance!”

Ficar na recepção pode parecer impossível se você ainda não consegue se comunicar com fluidez em inglês, com outras pessoas.

Mas calma. Nem tudo est√° perdido.

COMO FUNCIONA O WORLDPACKERS

O Worldpackers é um dos programas de work exchange em maior ascensão na atualidade, mas diferente dos outros, seu foco é totalmente voltado para quem deseja trabalhar em hostels, até mais do que o Workaway Рque possui uma variedade de trabalhos.

Um detalhe interessante sobre o Worldpackers é que ele foi criado por Riq Lima e Eric Faria, dois brasileiros que largaram tudo, resolveram viajar o mundo e, há dois anos, alimentam essa plataforma para ajudar outras pessoas a viajar de um jeito diferente.

Pouco tempo depois de criada, a plataforma já conta com mais de 5 mil voluntários e mais de 300 hostels espalhados por mais de 90 países.

Para começar você pode acessar o site e criar o seu perfil dizendo quais são suas habilidades. Aproveite para contar o que você já fez de bom nessa vida.

Escolha um lugar para onde gostaria de ir e diga que tipo de trabalho toparia fazer.

Em seguida, escolha um hostel nos mais de 90 países ali registrados.

√Č simples.

A plataforma vai te colocar em contato com algu√©m do hostel. Voc√™s v√£o conversar, acertar as condi√ß√Ķes como tempo de hospedagem, quais tarefas vai precisar desempenhar e o que voc√™ ganhar√° em troca.

Voil√°.

Basta viajar, oferecer seu trabalho e receber hospedagem, refei√ß√Ķes e o que mais vier.

Você pode muito bem trocar a sua hospedagem por alguns dias como DJ, barman, pintor, jardineiro, dar uma up nas redes sociais do hostel ou até mesmo fazer um redesign do site deles.

Há muitos meios de se trabalhar em um hostel que não seja na recepção.

Para saber que tipo de trabalho você pode desenvolver junto ao anfitrião em troca da hospedagem, basta acessar a página da hospedagem e clicar no botão Opportunitie.

QUANTO CUSTA O WORLDPACKERS

A forma como você se cadastra e tem acesso às oportunidades são diferentes no Worldpackers.

Como mencionado nas op√ß√Ķes anteriores desse artigo, normalmente √© preciso pagar primeiro para ter acesso √†s informa√ß√Ķes dos anfitri√Ķes e iniciar o contato.

E aqui está uma das maiores vantagens do Worldpackers… Bingo!

No Worldpackers você só paga a taxa caso você feche a negociação e a viagem realmente aconteça.

O valor varia de acordo com o local e o tempo da hospedagem, mas pode variar entre 10 e 50 dólares.

 

BRASILEIROS QUE VIAJARAM COM O WORLDPACKERS

GABRIEL FOLLI – VIAJAR COM POUCO


A primeira experi√™ncia com neve de Gabriel foi em Ch√Ętel, na Fran√ßa. Cr√©ditos: Gabriel Folli
A primeira experi√™ncia com neve de Gabriel foi em Ch√Ętel, na Fran√ßa. Cr√©ditos: Gabriel Folli

Gabriel viajou alguns meses enquanto se hospedava em v√°rios pa√≠ses, como Cro√°cia, Rep√ļblica Tcheca, Hungria e Fran√ßa.

Em suas contas, Gabriel calcula que se tivesse que pagar por sua hospedagem nesse per√≠odo, teria gasto aproximadamente 1600 euros, mas que acabou economizando gra√ßas ao Worldpackers, isso sem falar na economia com refei√ß√Ķes e passeios.

Como eu disse, os benef√≠cios oferecidos variam de hostel pra hostel, e em Zagreb na Cro√°cia, Gabriel al√©m de 3 refei√ß√Ķes di√°rias tamb√©m tinha direito a usar a lavanderia, gratuitamente.

Ele só precisava gastar dinheiro quando tinha que pagar pelas suas próprias bebidas.

Que beleeeeeezaaa hein! ¬†ūüôā

Para mais detalhes dessa aventura, confira aqui, no blog Viajar Com Pouco.

J√ČSSICA ALVES – EM BUSCA DO DESCONHECIDO


P√īr-do-sol em Alto Para√≠so (GO) onde J√©ssica fez work exchange. Cr√©ditos: Em Busca do Desconhecido
P√īr-do-sol em Alto Para√≠so (GO) onde J√©ssica fez work exchange. Cr√©ditos: Em Busca do Desconhecido

Se voc√™ acha que o ingl√™s √© um problema, ou que mesmo “ganhando” a hospedagem, viajar para outro pa√≠s ainda √© fora de cogita√ß√£o pra voc√™… que tal considerar um trabalho volunt√°rio dentro do seu pr√≥prio pa√≠s?

Isso mesmo! Foi exatamente o que a Jéssica Alves fez.

Através do Worldpackers ela encontrou o hostel Cata Vento, que fica na cidade Alto Paraíso, em Goiás, e negociou 15 dias como voluntária.

A Jéssica não nos conta muitos detalhes das tarefas que precisou executar, e nem precisa!

Seu álbum de fotos já diz tudo, e seu depoimento, é simplesmente emocionante!

Leia a “cartinha” que ela deixou quando precisou partir, aqui no blog Em Busca do Desconhecido.

WWOOF


WWOOF

O WWOOF também oferece trabalhos voluntários no estilo Workaway, com a diferença de que seu foco é oferecer trabalhos em fazendas, ranchos, sítios, etc.

O pr√≥prio nome do site j√° diz: World Wide Opportunities on Organic Farms: Linking volunteers with organic farms and growers, que significa Oportunidades em Fazendas Org√Ęnicas ao Redor do Mundo: Conectando volunt√°rios com fazendas e produtores.

Antes de torcer o nariz, saiba que v√°rios brasileiros j√° encararam essa aventura e se deram super bem!

Logo abaixo vou citar brasileiros que foram e sobreviveram para contar! Haha

COMO FUNCIONA O WWOOF E QUANTO CUSTA

Bom, além dessa principal diferença que eu já citei, para se cadastrar no WWOOF você também precisa pagar uma taxa, porém, neste caso essa taxa é cobrada por país.

Então, para cada país que lhe interessar, você terá que pagar uma taxa de cadastro.

Essa taxa pode variar de país pra país, mas normalmente fica na casa dos 20 a 50 dólares, ou euros.

Antes de pagar a taxa, você até consegue ver a descrição de algumas oportunidades, mas somente com a taxa paga você consegue os dados de contato do anfitrião.

Normalmente existe uma organização WWOOF nacional em cada país, por isso cada um tem seu site independente.

Mapa de fazendas WWOOF ao redor do mundo.

Por isso, h√° uma taxa para se cadastrar em cada um deles.

Desse modo, é altamente recomendável que você já tenha bem definido para qual país quer ir. Caso contrário, irá gastar uma boa quantia se cadastrando nos sites de vários países ao mesmo tempo.

Além disso, eventualmente o país que você deseja conhecer pode não estar listado nessas redes de work exchange.

Mas no WWOOF, quando isso acontecer, não perca as esperanças. 

Há um método adicional para localizar oportunidades em fazendas nos países não listados no site principal. 

Por isso eu preparei um arquivo para te passar essa informação com mais detalhes, e você pode baixá-lo logo abaixo:

B√īnus: Aprenda a localizar oportunidades em pa√≠ses n√£o listados no site principal do WWOOF, baixe aqui o Guia R√°pido em PDF.

 

BRASILEIROS QUE VIAJARAM COM O WWOOF

THELMA E TADEU – DE CASA PARA O MUNDO


Thelma e Tadeu com a família que os recebeu na China.
Thelma e Tadeu com a família que os recebeu na China. Créditos: De Casa Para o Mundo

Esse foi um dos relatos mais interessantes que eu já li, de uma experiência de work exchange.

Gente, eles se voluntariaram e viajaram juntos para uma fazenda org√Ęnica na China!

Se deu certo?

Deu super certo!

A Thelma e o Tadeu ficaram em uma fazenda onde colhiam, lavavam e separavam as verduras e legumes bons dos ruins. Eles tinham um banheiro e um quarto s√≥ para eles, e contam que as refei√ß√Ķes eram sempre fartas.

Para saber como foi encarar essa aventura, em um local da China onde quase ninguém falava inglês, você pode conferir aqui, no blog De Casa Para o Mundo.

FL√ĀVIA CORREGIO – VIAJANDO EM UM SOPRO


Vista do p√īr-do-sol do quarto da Fl√°via, em uma fazenda na It√°lia. Cr√©ditos: Viajando Em Um Sopro
Vista do p√īr-do-sol do quarto da Fl√°via, em uma fazenda na It√°lia. Cr√©ditos: Viajando Em Um Sopro

A Flávia escolheu a França e a Itália como destinos (e que fotos maravilhosas hein Flávia!), só que em seus relatos, ela foi um pouco além.

Além de contar um pouco sobre as tarefas, a Flávia também conta como foram seus gastos após 30 dias de hospedagem na fazenda da Itália.

Você vai ficar impressionado em como ela gastou tão pouco, tendo gasto em 30 dias o que ela havia planejado gastar em apenas 6!

Como ela mesma conta, não estava recebendo nem um centavo pelo que estava fazendo, mas nunca havia se sentido tão rica em toda sua vida!

Para ler mais sobre as experiências da Flávia, você pode visitar o blog dela, Viajando Em Um Sopro.

√Č isso.

 

Achei importante compartilhar experi√™ncias somente de brasileiros, pois eles provavelmente tiveram¬†as mesmas perspectivas e rea√ß√Ķes que qualquer outro brasileiro teria em outro pa√≠s, em um terreno desconhecido e em uma situa√ß√£o adversa.

E não há desculpas, há bons exemplos de mulheres viajando sozinhas, homens e até casais.

Não deixe de conferir, uma a uma. São todas experiências emocionantes e tenho certeza que em algum momento elas irão inspirar a sua alma de viajante.

Depois disso voc√™ nunca mais ter√° d√ļvidas se fazer work exchange √© confi√°vel.

Hacks, truques e criatividade!

Insira o seu endere√ßo de email abaixo para receber gratuitamente as atualiza√ß√Ķes do blog!>

5 ITENS PARA JAMAIS IGNORAR AO FAZER WORK EXCHANGE

voce


Um anfitri√£o te respondeu.

√Č hora de acertar com ele os √ļltimos detalhes e combinar as datas de sua viagem.

Mas antes, eu preparei uma lista de itens que você jamais deveria ignorar se deseja uma boa experiência de work exchange:

1. SEU ANFITRIÃO


Quem é você?

O que faz um bom lugar, s√£o as pessoas.

Por isso, estude bem o seu anfitri√£o. Ele jamais deve ser ignorado.

Consulte as avalia√ß√Ķes de h√≥spedes anteriores

Para saber se o seu anfitri√£o √© gente boa, al√©m da descri√ß√£o do trabalho, algumas plataformas disponibilizam as avalia√ß√Ķes dos volunt√°rios anteriores dentro do perfil de cada anfitri√£o.

Portanto, procure oportunidades que j√° receberam um n√ļmero m√≠nimo de avalia√ß√Ķes de outros h√≥spedes volunt√°rios.

Por aí já vai dar pra você saber se esse trampo é a sua praia ou não.

Explore um pouco a intimidade deles

Sua vida provavelmente est√° na internet.

Se poss√≠vel, adicione seus anfitri√Ķes nas redes sociais.

Procure ver suas fotos no Facebook, as intera√ß√Ķes, as conversas, etc.

Procure compreender se possuem família, se são sorridentes, se são amáveis, se parecem felizes na maior parte do tempo ou se possuem cara de poucos amigos.

Entenda como é a vida e a relação entre eles no dia-a-dia.

Estabeleça um contato mais próximo

Todos sabemos que as fotos enganam.

Lembre-se: nas redes sociais estão apenas as melhores partes de nós mesmos.

No dia-a-dia, a vida costuma ser bem diferente.

Sendo assim, o mais próximo da realidade do seu anfitrião, que você vai conseguir chegar, pode ser uma simples chamada por Skype.

Conversem antes de fechar o acordo. ‚ÄúFace-to-face.‚ÄĚ

Você precisa sentir segurança antes de arrumar as malas.

2. SEU DESTINO


Destinos de Work Exchange

Segurança local

Se voc√™ √© do tipo que n√£o consegue ver uma barata sem fazer um esc√Ęndalo, para a sua pr√≥pria seguran√ßa e para a seguran√ßa dos anfitri√Ķes, procure saber se h√° animais (dom√©sticos ou selvagens) na resid√™ncia.

Além disso, procure saber na companhia de quem você estará na maior parte do tempo; se haverá outro voluntário na casa no mesmo período em que você ou não.

Acomodação

Aqui est√£o algumas coisas para perguntar ao seu anfitri√£o antes de sair arrumando as malas:

  • Seu quarto ser√° individual ou compartilhado com algu√©m?
  • Como ser√° a sua cama? Voc√™ vai dormir no sof√°?
  • Se compartilhado, com quem? Com um membro da fam√≠lia ou com um volunt√°rio? Homem ou mulher?
  • Haver√° um banheiro privativo em seu quarto?

Alimentação

A menos que você não se importe de comer alguns grilos, espetinho de escorpião ou carne de cachorro, atente-se à isso:

  • Voc√™ receber√° alimenta√ß√£o al√©m da hospedagem?
  • Se sim, quantas vezes ao dia? Receber√° apenas o caf√© da manh√£ ou a pens√£o completa?
  • A fazenda √© org√Ęnica? Isto √©, eles abatem animais para o consumo pr√≥prio ou s√£o vegetarianos?

Para n√£o se assustar, procure saber o que os locais daquele pa√≠s costumam comer, de que s√£o feitas as suas refei√ß√Ķes, etc.

Acesso à Internet

Se voc√™ vai estar em uma fazenda que seja mais distante dos centros urbanos, a √ļltima coisa que voc√™ vai querer √© ficar ‚Äúilhado‚ÄĚ do resto do mundo – ou n√£o n√©.

Ter acesso √† internet √© essencial para se comunicar diariamente e n√£o deixar ningu√©m preocupado. Portanto, antes de pedir a senha do wi-fi, aqui est√£o algumas preocupa√ß√Ķes que voc√™ deve ter:

  • Primeiro, tem internet?
  • Tem wi-fi?
  • √Č gr√°tis?
  • O uso √© limitado ou ilimitado?
  • Voc√™ poder√° utilizar nos hor√°rios que quiser ou h√° regras para o uso?

Lazer & Entretenimento

Procure saber se há atividades esportivas e/ou de lazer nos arredores ou mesmo no próprio estabelecimento.

Durante a semana você pode querer se divertir sem ter que sair da fazenda.

Localização & Conveniência

Procure saber o que há nos arredores do local aonde você vai estar.

Identifique as atra√ß√Ķes mais pr√≥ximas e calcule se ser√° poss√≠vel visit√°-las durante os seus dias de folga.

Se você estiver no sul do país e quiser conhecê-lo ao norte por exemplo, mas só tem os sábados e domingos de folga, isso vai se tornar mais complicado caso não exista um aeroporto por perto.

Outros pontos de conveni√™ncia para voc√™ pesquisar nas proximidades s√£o: farm√°cias, hospitais ou postos m√©dicos, supermercados, √≥rg√£os de seguran√ßa p√ļblica, etc.

Transporte

Bastante importante, procure saber se h√° algum transporte p√ļblico at√© o centro urbano mais pr√≥ximo.

Quais os custos e com que frequência eles passam?

Se você tiver em uma fazenda por exemplo, fique atento se será fácil ou difícil se locomover e conhecer outros lugares, e ainda voltar a tempo pra casa, sem passar por apuros.

Enfim, esteja atento aos mínimos detalhes.

3. SEUS DOCUMENTOS


Documentos de Viagem

Lembre-se de organizar os seus documentos sempre que necessário. Essa é uma tarefa sua e o seu anfitrião não tem nada a ver com isso.

√Č sua responsabilidade cuidar de quest√Ķes referentes a passaporte, vistos e seguro pessoal, exigido em atividades em barcos, por exemplo.

Se preferir, entre em contato com a embaixada ou consulado do pa√≠s de destino, no Brasil, para tirar d√ļvidas espec√≠ficas sobre os seus documentos.

ATENÇÃO!

Vale frisar que apesar de chamar isso de trabalho algumas vezes, esse voluntariado não é visto como um trabalho de verdade.

Portanto, fique atento!

Dizer no aeroporto que você está no país a trabalho, sendo que o seu visto de turista não contempla essa atividade, fará com que você seja deportado dali mesmo.

A menos que o seu visto te permita trabalhar, comporte-se normalmente, como se estivesse ali apenas para turistar e conhecer o país.

Nota: Além de você não precisar de nenhum visto além do visto de turista (muitos países não exigem visto nenhum, pra ficar por até 3 meses), não haverá nenhum documento assinado entre você o seu anfitrião.

4. SEUS DIREITOS E DEVERES


Direitos e Deveres

Compromisso

Como n√£o haver√° nenhum contrato, nada te obriga a permanecer no local exercendo aquela atividade.

Portanto, se você não agradar do que encontrar quando chegar lá, é só comunicar o motivo da saída ao seu anfitrião, juntar as suas trouxas e cair no capinado.

Lembre-se, se há algo que não te agrada, como por exemplo um alimento ou um costume, tenha em mente que para o seu anfitrião isso pode ser algo completamente normal. Sendo assim, use o bom senso e tome cuidado para não ofendê-lo.

Diferenças socioculturais

Respeito é bom e todo mundo gosta!

Logo, se dê ao respeito para ser respeitado.

Ser honesto e cordial também são virtudes que se esperam de ambas as partes.

Tenha em mente que lá fora, o mundo é completamente diferente. Mas no final do dia, todos somos iguais.

Humanos.

De carne e osso.

Com um coração pulsante dentro do peito.

Temos uma família que amamos e faremos o possível para protegê-los.

Na casa deles, você é o estranho.

Portanto, comporte-se como gostaria que as pessoas se comportassem em sua casa.

√Č assim com voc√™.

Assim ser√° com eles.

E assim como você deve respeitá-los, não aceite ser desrespeitado, sob nenhuma condição.

5. SUAS RESPONSABILIDADES


Tarefas

Quanto mais detalhes você tiver, antes de chegar lá… melhor.

Antes de partir, você precisa ter uma boa noção do tipo de trabalho que deverá executar quando chegar em seu destino.

Então obtenha o máximo de detalhes possível sobre coisas como:

Seu trabalho

  • O que voc√™ dever√° fazer?
  • Quantas horas exatamente voc√™ precisar√° se dedicar por dia?
  • Por quantos dias durante a semana?

Seus hor√°rios

  • Quando voc√™ dever√° acordar?
  • H√° hor√°rio imposto para voc√™ chegar √† noite ou ir dormir?
  • Voc√™ ter√° liberdade para entrar e sair da propriedade quando quiser? Como? Quando? Em quais condi√ß√Ķes?

 

ITEM¬†B√ĒNUS: IDIOMA


Preciso Saber Falar Inglês?

Não deixe que o idioma impeça você!

Um nível mínimo de inglês não é essencial, mas facilitaria a sua vida.

Você vai precisar entrar em contato com o host e combinar todos os detalhes da sua estadia, então ambas as partes precisam se entender.

Se não consegue conversar com fluidez, peça ajuda de alguém que saiba falar o mesmo idioma.

O entendimento do que deve ser realizado no lugar onde você vai trabalhar é imprescindível, além de que a troca cultural é muito maior entre pessoas que podem se comunicar na mesma língua.

Sabemos que isso não é necessariamente uma verdade universal, mas por motivos de praticidade e clareza diremos que é uma verdade para este caso.

Por outro lado, em alguns lugares você vai encontrar outras pessoas que também não falam inglês.

Quando isso acontecer, sua comunicação pode ser na base de gestos. Isso é bastante comum.

Também já conheci pessoas que mesmo sem falar quase nada de inglês tiveram ótimas experiências em países de língua inglesa e ainda acabaram aprendendo muito.

Mas claro, tudo isso vai depender do país para onde você vai, se você já fala ou se quer aprender outro idioma.

Neste caso, sua escolha vai de acordo com sua preferência.

 

No mais, para viajar barato sem entrar em furadas, tenha paciência e seja persistente.

Prepare-se para ficar muitas horas em frente ao computador pesquisando, selecionando os lugares que deseja ir e enviando emails.

Escreva seu email de contato com cuidado, descreva bem quem é, porque deseja ir para tal lugar e tente deixar a mensagem o mais personalizada possível.

N√£o envie o mesmo email gen√©rico para v√°rios anfitri√Ķes.

Nem sempre um email enviado para um host é respondido, ou as vezes é respondido muitos dias (ou até semanas) depois.

Por isso, n√£o deixe para entrar em contato muito em cima da data desejada.

Também não entre em contato com muito tempo de antecedência (meses).

Claro que tudo isso s√£o sugest√Ķes, n√£o s√£o regras; pode variar de lugar para lugar.

Com um pouco de paciência e persistência, não vai demorar para chegar o dia em que você vai receber sua primeira resposta positiva daquele lugar que você realmente quer ir!

Se você não encontrar nenhuma vaga que lhe agrade nesses sites, não desista. Continue procurando!

B√īnus: Baixe aqui um PDF com uma lista de sites alternativos de work exchange, incluindo op√ß√Ķes pagas e gratuitas que n√£o foram citadas neste artigo.

Recapitulando…

Hoje você aprendeu vários programas para viajar barato através de work exchange. São os principais deles:

  • Workaway,
  • Worldpackers,
  • Helpx, e;
  • WWOOF.

Você também viu que não tem mistério.

Para “ganhar” hospedagem e alimenta√ß√£o ao redor do mundo enquanto ‚Äútrabalha‚ÄĚ, o que se deve levar em considera√ß√£o s√£o:

  • os pr√©-requisitos de cada vaga,
  • o per√≠odo em que os hosts est√£o dispostos a receber os h√≥spedes e claro,
  • se a oportunidade est√° de acordo com o objetivo que se pretender atingir com estadia no pa√≠s escolhido.

Voc√™ tamb√©m aprendeu que deve dar bastante aten√ß√£o √† descri√ß√£o de seu host. Essas informa√ß√Ķes s√£o muito importantes e geralmente estar√£o dispon√≠veis.

Se você é uma pessoa aberta a experiências que saiam do tradicional, se está disposto a trocar o seu tempo e trabalho por bens que, no geral, não serão materiais, mas que podem ser extremamente enriquecedores e recompensantes, então ser voluntário em alguma causa ou instituição no exterior valerá muito a pena pra você!

Além de conhecer pessoas de diversos lugares, a carga horária de trabalho reduzida ainda vai permitir que você tenha tempo livre para conhecer o lugar.

Stay safe!

Se hospedar na casa de outras pessoas através destes programas pode ser considerado relativamente seguro.

O fator determinante está na sua atenção aos detalhes.

Saiba que, assim como você tem receios de ir para a casa de um desconhecido, mais receio ainda tem o anfitrião, que irá colocar um desconhecido dentro de sua própria casa, debaixo de seu próprio teto e em meio à sua família.

Uma vivência dessas simplesmente não tem preço.

Tomando todos esses cuidados, com certeza você terá uma experiência enriquecedora e inesquecível.

Missão dada, é missão cumprida.

A partir do momento que se comprometer ao trabalho em uma fazenda, compareça!

Os anfitri√Ķes contam com a ajuda dos volunt√°rios, principalmente em √©pocas de colheita.

Evite cancelar a viagem em cima da hora e deix√°-los na m√£o.

Lembre-se de que as fazendas s√£o administradas por fam√≠lias e pequenos agricultores, e n√£o s√£o atra√ß√Ķes tur√≠sticas.

Esta é uma iniciativa séria e requer compromisso.

Ufa! Foram horas e horas reunindo essas informa√ß√Ķes e editando este artigo.. Espero que ele realmente tenha lhe acrescentado algo novo.

Se voc√™ tamb√©m gosta de viajar e acha que seus amigos poder√£o gostar dessas informa√ß√Ķes, que tal aproveitar o momento para compartilhar este artigo na sua rede social favorita?!

Compartilhe com os seus amigos!

9 Coment√°rios


  1. Caraca! Eu amo Viajar, achei muito top a ideia! Neg√≥cio agora √© colocar em pr√°tica! ūüėČūüėČūüėČ

    Responder

  2. Super maneiro, as dicas s√£o muito valiosas. Est√£o de parab√©ns. ūüĎŹ

    Responder

  3. Dicas ótimas , adorei!
    Hoje em dia estamos sempre apertados, ent√£o dicas de viagens baratas s√£o excelentes! ūüėČ

    Responder

  4. Bacana!Ano que vem eu quero passear na Suíça e não tinha ideia por onde começar.Nunca tinha visto falar disso antes,inovador!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *